Introdução

Síndrome do olho seco refere-se a um grupo de doenças do filme lacrimal, com diferentes sintomas e etiologias.
A película lacrimal é composta por três camadas de mucina, a fase aquosa, e as lipídicas e deficiências ou instabilidades em qualquer destas fases pode resultar no desenvolvimento de sinais e sintomas clínicos de olho seco.

Causas e efeitos

Causas iniciais levando o aparecimento da doença incluem, mas não estão limitados a, prolongada atividade visual, doenças auto-imunes do tecido conjuntivo, ar condicionado ou aquecimento de ambientes, uso incorreto de lente de contato, cirurgia refrativa em geral, ambientes de baixa umidade, o simples envelhecimento e alterações hormonais.
No início o olho seco é caracterizado pelo aparecimento de sintomas intermitentes e certas alterações no exame de biomicroscopia.
Os sintomas de olho seco podem incluir ardor, sensação de corpo estranho, fotofobia, ardor, aspereza e secura geral. Quando estes sintomas tornam-se mais intensas e freqüentes, a condição do paciente pode estar progredindo em direção a síndrome do olho seco avançado.

Tratamento de olho seco

Muito importante lembrar a influencia dos fatores ambientais na síndrome do olho seco, e melhorar essas condições na rotina do paciente. Para muitos o colírio de lágrima artificial líquido ainda é o tratamento de primeira linha recomendado para pacientes de olho seco. No entanto, se os pacientes não respondem à abordagem de lágrima artificial, há outras opções. Plugs punctal, recobrimentos cirúrgicos, prescrição do tratamento com diferentes pomadas e géis líquidos são indicados para todos os quadros avançado do olho seco.
Oclusão Punctal também é considerado para os casos mais graves de olho seco, mas só pode impedir a drenagem lacrimal. O procedimento não melhorar a composição ou a estabilidade do filme lacrimal.
Pomadas são compostos viscosos e frequentemente só pode ser utilizada durante a noite.
Os referidos "géis líquidos" são também opção de tratamento para pacientes de olho seco avançados. O termo "gel" é muitas vezes utilizado de forma ambígua mas tecnicamente refere-se a uma dispersão coloidal viscosa, uma combinação de substâncias intermediárias em solução.
Os géis são geralmente tão viscoso que não flua, mas esta propriedade física pode ser alterada pela quantidade de colóide disperso no líquido, como é o caso com os geles líquidos.
Com a viscosidade necessária para proporcionar estabilidade do filme lacrimal e alívio sintomático, géis líquidos, podem oferecer a melhor opção para os pacientes com olho seco severo.

Consulta Oftalmológica

Antes de iniciar qualquer tratamento, é importante tentar determinar a gravidade da secura ocular do paciente. Se os testes de diagnóstico e a descrição de seus sintomas apontam para um olho seco mais avançado, é provável que a terapia de primeira linha com lágrimas artificiais básicos trará benefício e novas avaliações podem levar a outros tratamentos associados.
Em última análise, é o conforto do paciente que determina qual o melhor tratamento e isso varia subjetivamente.

Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Professor Associado do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo
Presidente da Sociedade Latino Americana de Glaucoma