Qualquer pessoa pode ter glaucoma e só o exame ocular é capaz de detectar a doença.

O exame é altamente recomendável:

  1. na população com mais de 40 anos de idade;
  2. pessoas da raça negra;
  3. com história de Glaucoma na família;
  4. portadores de alta miopia;
  5. usuários crônicos de colírios com cortisona;
  6. diabéticos

Entre os exames utilizados para a confirmação do diagnóstico do glaucoma estão o exame de campo visual, a tonometria e o exame do disco óptico. Veja na tabela abaixo outros exames diagnósticos do glaucoma.

Exame Objetivo
Acuidade visual Detecta alterações na visão
Exame da pupila Detecta lesão nas vias ópticas, incluindo o nervo óptico
Exame com lâmpada de fenda Avalia o interior e o exterior do olho
Tonometria Confere a pressão intraocular
Fotografia do nervo óptico Documenta a aparência do nervo óptico
Nervo óptico Mede a escavação e palidez
Gonioscopia Avalia o ângulo da câmara anterior
Campo visual Verifica perda de campo visual

Atualmente é possível também a avaliação quantitativa do nervo óptico e da camada de fibras nervosas da retina feita pela tomografia (OCT). Ela auxilia em muitos casos clínicos para o diagnóstico e para a avaliação de eventual progressão dos danos glaucomatosos já existentes.

O glaucoma não tem cura, mas tem controle. Por isso a importância do rígido cumprimento do tratamento, que pode ser feito através de colírios, laser ou cirurgias.

Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Professor Associado do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo
Presidente da Sociedade Latino Americana de Glaucoma