A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou recentemente uma nova indicação para Lucentis (ranibizumabe) para tratar pacientes com comprometimento visual devido à neovascularização de coróide (NVC) secundária a outras causas além da degeneração macular relacionada à idade (DMRI) e a neovascularização miópica.

A neovascularização de coróide (NVC) é uma doença caracterizada pelo crescimento de vasos sanguíneos anormais abaixo da retina, que costumam sangrar e é uma das principais causas de perda de visão em adultos.

A NVC comumente está associada à degeneração macular relacionada à idade (DMRI) e degeneração miópica, porém, mais raramente, pode ocorrer em outras condições, como: uveíte, coriorretinopatia serosa central, traumatismos e distrofias. Geralmente ocorre em adultos jovens e de meia idade.

Os sintomas mais comuns são perda gradativa da visão, percepção de manchas pretas e distorção da imagem (as linhas retas se tornam distorcidas, tortas). Mas, no início, pode ser quase imperceptível.

O diagnóstico é revelado pelo exame oftalmológico com oftalmoscopia indireta e biomicroscopia de fundo de olho. Os oftalmologistas costumam pedir alguns exames, como a tomografia de coerência óptica –OCT- (exame para o acompanhamento antes e após o tratamento das lesões neovasculares). Quanto mais precocemente a detecção da doença, maiores as chances de recuperação visual.

O tratamento ocorre por meio de injeções com drogas anti-angiogênicas, como o ranibizumabe, capaz de impedir o desenvolvimento dos neovasos e diminuir o extravasamento de substâncias3,4 (Imagem abaixo).

Clínica de Olhos Arruda Mello | Anatomia
Aplicação do medicamento intravitreo
Sangramento pela neovascularização de coróide (NVC)

Seguindo um esquema de tratamento baseado na acuidade visual, achados à tomografia de coerência óptica e biomicroscopia de fundo de olho, o número de aplicações do ranibizumabe varia de paciente para paciente.

Pacientes x também conseguem se beneficiar com uso de telelupas, lentes asféricas, prismáticas, focos de luz no papel e letras ampliadas para leitura.

Referências Bibliográficas

  1. https://www.aboutfarma.com.br/secao/medicamentos/1083/anvisa-aprova-lucentis
  2. Rodrigues EB, Rossi EE, Grumann Junior A, Meyer CH, Ho AC. Treatment of neovascular age-related macular degeneration with antiangiogenic drugs. Arq Bras Oftalmol. 2006;69:756-65
  3. Chaudhary V, Mao A, Hooper PL, Sheidow TG. Triamcinolone acetonide as adjunctive treatment to verteporfin in neovascular age-related macular degeneration: a prospective randomized trial. Ophthalmology. 2007;114(12):2183-9
  4. Fung AE, Lalwani GA, Rosenfeld PJ, Dubovy SR, Michels S, Feuer WJ, Puliafito CA, Davis JL, Flynn HW Jr, Esquiabro M. An optical coherence tomography-guided, variable dosing regimen with intravitreal ranibizumab (Lucentis) for neovascular age-related macular degeneration. Am J Ophthalmol. 2007;143(4):566-83

Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Professor Associado do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo
Presidente da Sociedade Latino Americana de Glaucoma