Comer panetone, pudim ou mousse de chocolate não vai prejudicar sua visão. Mas se você é diabético e no Natal resolve comer os doces e massas, então poderá ter problemas...não só oculares.

“A glicose em excesso no sangue causa danos em diversos tecidos do corpo - grande parte das complicações está relacionada a problemas nos vasos sanguíneos que, além de conterem a glicose, levam nutrientes e recolhem toxinas dos tecidos corporais. Esses vasos podem ser bloqueados ou danificados pela glicose em excesso, o que causa danos nos órgãos que irrigam”.

Uma das doenças oculares que você pode desenvolver se não controlar sua glicemia é a Retinopatia Diabética. A hiperglicemia ainda é um dos fatores preditivos mais importantes e a hemoglobina glicosilada em altos níveis aumenta significativamente o risco de desenvolver essa doença.

Nos estágios iniciais da retinopatia diabética normalmente os pacientes são assintomáticos, exceto nos casos com edema macular diabético associado. Já nos casos mais avançados, pacientes podem se queixar de moscas volantes, embaçamento, distorção e perda progressiva da visão.

Clínica de Olhos Arruda Mello | Retina saudável e retina com alterações diabéticas
Fonte da imagem: http://oftalmologie-alba.ro/ochiul-diabetic/

O exame de fundo de olho constitui ainda hoje o melhor método diagnóstico da retinopatia diabética. Na presença da doença, o exame de angiografia fluoresceínica contribui sobremaneira como guia para o tratamento e o acompanhamento da evolução após o mesmo.

A fotografia da retina é uma ferramenta importante para diagnóstico e principalmente seguimento de pacientes com retinopatia diabética. As fotografias podem ser utilizadas para monitorar a progressão da doença.

O acompanhamento do paciente com diabetes melito deve se multidisciplinar com controle glicêmico e pressórico intenso para diminuir as chances do desenvolvimento das formas graves de retinopatia diabética. A avaliação do oftalmologista deve ser baseada na idade em que foi feito o diagnóstico, sendo que se for entre 0-30 anos, o primeiro exame fundoscópico deve ser realizado entre 3 e 5 anos do diagnóstico. Se for acima de 30 anos, deve ser realizado o fundo de olho no momento do diagnóstico. Já para diabetes gestacional, deve-se ter cuidado em realizar o exame durante o primeiro trimestre.

Bibliografia

  1. UOL Ciência e Saúde. Ceres Prado- Complicações associadas ao diabetes. São Paulo 27/06/201100h00. http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2011/06/27/complicacoes-associadas-ao-diabetes.htm
  2. Lavinsky D, Lavinsky J. Retinopatia Diabética. In Paranhos A, Ávila M. Farmacologia Ocular.RJ, Gen&Guanabara Koogan, 2013.

Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Professor Associado do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo
Presidente da Sociedade Latino Americana de Glaucoma