O Laser de femtosegundo é uma tecnologia que veio para auxiliar o cirurgião-oftalmologista. Já é utilizada no transplante de córnea, na cirurgia refrativa e, desde 2009, na cirurgia da catarata.

Não necessariamente uma cirurgia de catarata realizada sem a tecnologia Laser femtosegundo seja de pior qualidade ou que o paciente corra mais riscos. A decisão de optar por essa nova tecnologia ainda é muito discutível.

Esse Laser usa energia concentrada com raio de comprimento de onda em fração de segundo na ordem de 10-15, daí o nome “femtossegundo”. O raio atravessa as estruturas transparentes do olho e, quando alcança o ponto focal, cria uma pequena formação de plasma que gera o corte no tecido. Depois do paciente ter sido acomodado no aparelho, essas operações demoram aproximadamente um minuto e meio. Em seguida, o paciente é encaminhado ao centro cirúrgico, onde a operação é concluída e o cristalino artificial (Lente Intraocular) é implantado.

Esse Laser é utilizado em algumas etapas da Facoemulsificação, que é a atual cirurgia de catarata, a saber:

  • - ajuda a padronizar a incisão, sua localização, tamanho, profundidade, reduzindo ao mínimo a indução do astigmatismo;
  • - realiza a capsulotomia e a quebra do núcleo, reduzindo o tempo de aspiração e de utilização do ultrassom no centro cirúrgico, e com isso, diminuindo eventuais desconfortos para o paciente.

Não há dúvida de que as três etapas realizadas pelo Laser de femtossegundo fazem a remoção da catarata não só mais segura, como também mais previsível. No entanto, esta técnica tem alto custo e para o paciente quase não há percepção no resultado final.

Além de se questionar sua praticidade, pois o cirurgião deverá utilizar dois procedimentos para atingir um único resultado. Este é exatamente um dos grandes problemas do processo, já que o paciente deve submeter-se a parte da cirurgia em uma sala, em seguida mudar para outra, para tê-la terminada. Tal logística é bastante complexa, já que exige maior dispêndio de tempo e espaço, ou até de duas equipes para o mesmo fim.

Bibliografia

  1. Conselho Brasileiro de Oftalmologia, CBO. Cirurgia de Catarata com Femtosegundo. Disponível em www.cbo.com.br/novo/medico/pdf/jo/ed149/12.pdf
  2. Beniz, J. Rev. bras.oftalmol., vol.70 (6), Rio de Janeiro; 2011. Disponível em : http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72802011000600001

Cirurgia de catarata a laser
José Beniz

Doutor em Oftalmologia, Professor Adjunto de Oftalmologia da Universidade Federal de Goiás - UFG - Goiânia (GO), Brasil.

As complicações mais frequentes, em ordem de ocorrência, após a cirurgia de catarata, são:

  1. Refração residual inesperada;
  2. Opacificação da cápsula posterior;
  3. Edema macular cistoide;
  4. Infecção / Inflamação

Prof. Dr. Paulo Augusto de Arruda Mello
Professor Associado do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo
Presidente da Sociedade Latino Americana de Glaucoma